POMBAL

POMBAL
BANDEIRA DA CIDADE DE POMBAL

POMBAL

POMBAL
VISTA A PARTIR DO CASTELO DE POMBAL DO LADO NOROESTE DA CIADE.

UM POUCO DA MINHA TERRA

UM POUCO DA MINHA TERRA
Vista da parte Oeste da cidade com a Zona Industrial ao fundo

UM POUCO DA MINHA TERRA - (POMBAL)

UM POUCO DA MINHA TERRA  - (POMBAL)
Vista aérea da parte Sul de Pombal.

UM POUCO DA MINHA TERRA. (POMBAL)

UM POUCO DA MINHA TERRA. (POMBAL)
Vista aérea da parte centro-este de Pombal

UM POUCO DA MINHA TERRA. (Pombal)

UM POUCO DA MINHA  TERRA. (Pombal)
Museu Marquês de Pombal (Antiga Cadeia)

UM POUCO DA MINHA TERRA (POMBAL)

UM POUCO DA MINHA TERRA (POMBAL)
Pombal shopping

terça-feira, 28 de julho de 2009

SAUDADE

SAUDADE


Hoje sou saudade
Outrora, amor que não vivi
Prolongo este meu gesto, sem beijar teu corpo
Eu próprio, sou aquilo que perdi
Imponente, a tarde desce ao querer saber de ti
Antes meu amor por ti, uma metáfora fosse
Ó negro luar, reflectido nos juncais
Não podendo eu prender-te mais
Minha jóia rara, teu doce movimento me extasia
Teu vulto saciante, passa e esquece
Ah, se um dia eu te beijasse
Estas trémulas mãos acariciando tua face
E beijando-te, um raio de sol descesse
Para que esta dôr passasse
Longe vão meus tempos de meninice
E eu, a felicidade encontrasse
Tamanha alegria, efémera paixão
Ao ver-te, eu para ti sorrisse
Poder sair desta tão dolorosa solidão
Queria viver eternamente
Amar-te consciente e inconscientemente
Para poder prender esse tão lindo gesto
Perder-te...... de novo ter-te.... e o sonho é o resto !!!


Norberto Marques

terça-feira, 21 de julho de 2009

MEU NOVO CAMINHO



Iniciei contigo este meu novo caminho
Tentando em teus braços o aconchego de um ninho
Vagueei... Sonhei... Perdi-me...
Eu que desatento estava
Pensei que conhecia esta nova estrada
Esta eterna caminhada
Em cada paragem, o teu rosto...uma miragem
Não antevi esta dura viagem
Enveredei por atalhos que nem sei
E pensei não resistir, em desistir
Insistir novamente, persistir
Ir e vir, mas sempre...prosseguir
Continuar confiando... ir tentando
Sempre com a sorte me guiando
Noite e dia , sem em nada tropeçar
Sem nada que tirasse a minha coragem
Nem a minha vontade
Sempre procurando a verdade
Grandes passos, novos compassos
Um fim e um começo...recomeço
Reconheço...será que mereço ?
A distância que não meço
Não fixo o endereço,
Somente o apreço e sigo em frente
Para minha eterna busca...
Alegria, mar aberto, rosto descoberto
Incerteza do que é certo... acerto !!!
Não quero desacerto, antes um sorriso franco
Tudo enfrento neste meu novo trajecto
Desperto...estarei perto ?
Sigo e prossigo com coragem e bravura
Esta saudável loucura
Nesta louca desventura de continuar
.........este meu novo caminho.


Norberto Marques

sábado, 4 de julho de 2009

O MEU PRIMEIRO POEMA

QUEM SOU

Sou sol, dia cinzento
Fogo apagado com o tempo
Cinzas levadas pelo vento
Sou pena que voa
Sentimento que flutua
Sou tempestade que passou
Farrapo que alguém amou

Afinal quem sou ?

Sou maré viva, paixão ardente
Sou alma escondida, inverno quente
Sou estrada, sou caminho
Sou ave, sou ninho
Sou poço de carinho
Sou amor que alguém esqueceu

Afinal quem sou eu ?

Sou chuva, sou floresta
Sou tudo o que resta
Sou quem tudo deu e nada recebeu
Sou carícia que alguém perdeu
Sou ser que alguém feriu
Sentimento que sucumbiu
Sou amigo, camarada
Sou tudo, não sou nada
Sou quem tanto amou
Sou luz que se apagou
Sou tarde que escureceu

Sou meu, sou teu,

............Sou eu !!!!



Norberto Marques